LEMA DA PASTORAL DIOCESANA: "Ide e fazei discípulos entre todas as nações" (Mt 28, 19)

JUNHO: Mês do Sagrado Coração de Jesus

papa urbi orbiPapa Francisco

' A Alegria do Evangelho' é a primeira Exortação Apostólica do PAPA FRANCISCO sobre a transmissão do Evangelho no mundo actual.

LEMA DA DIOCESE DE SANTIAGO: IDE E FAZEI DISCÍPULOS

Dom Arlindo Gomes Furtado Bispo de Santiago de Cabo Verde
Mensagem do nosso Bispo

Explicação do Brasão do Bispo
Vídeos


Entrevista de Dom Arlindo na TCV
(28 Dezembro 2010)


Vídeo Oração da família


Publicidade da Igreja Católica nos EUA

Este espaço é destinado artigos de opinião e a temas não incluídos nos links de Formaçao. Colabore com a equipa do site!  Obrigado!

Exame de consciência sobre internet na Igreja da Europa

Em 2009, num encontro da Comissão Episcopal Europeia para a Mídia, representantes da Igreja na Europa realizaram um exame de consciência sobre sua presença na internet, ajudados por representantes de projetos como a Wikipédia, o Facebook e o YouTube.

O exame de consciência foi estimulado pelo próprio Bento XVI, através da mensagem inaugural, transmitida pelo cardeal Tarcisio Bertone, SDB, secretário de Estado, na qual convidava a examinar “esta nova cultura e suas implicações para a missão da Igreja”.

O simpósio promovido pela Comissão para os Meios de Comunicação do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) é um sinal de que se percebeu a implicação dos novos ‘media’. 

 Internet é cultura

O encontro foi apresentado pelo cardeal Josip Bozanic, arcebispo de Zagreb e vice-presidente da CCEE, quem começou esclarecendo que “a internet não é só um recipiente que acolhe diferentes culturas. A internet é cultura”.

O purpurado apresentou perguntas importantes aos representantes do episcopado europeu: “Que implicações a presença da internet tem, hoje, para a missão da Igreja? Que repercussões ela tem na obra de evangelização das culturas e da inculturação da fé? Como a internet entrou na pastoral ordinária das nossas dioceses e das nossas paróquias?”.

Em suas dicas de resposta, o cardeal reconheceu que muitos na Igreja veem a internet como um instrumento, mas constatou que ela é, “antes de mais nada, um mundo, que alguém chegou a chamar de ‘sétimo continente’. Na internet os jovens criam seus laços sociais e aprendem a viver!”.

Segundo o purpurado, a internet não é boa nem ruim. “Como qualquer instrumento colocado nas mãos do homem, a internet se converte no que o homem decidir.” Neste contexto, assegurou, para a Igreja, a presença na internet, “mais que uma oportunidade, é uma necessidade”.

Por este motivo, o cardeal deixou estas perguntas para o exame de consciência: “Que visão os demais têm de nós? Até que ponto nossos sites são realmente a expressão da riqueza do patrimônio cristão e conseguem transmitir a boa notícia que o Senhor nos pediu para difundir?”.

Diaconia da cultura

A seguir, o arcebispo Claudio Maria Celli, presidente do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais, tomou a palavra para constatar que a Igreja demorou para compreender e aplicar as palavras que João Paulo II escreveu na encíclica Redemptoris missio (1990), quando reconhecia que na Igreja “se descuidou um pouco desse areópago” da comunicação.

Também citou o novo impulso que Bento XVI deu à presença da Igreja na internet, para que possa exercer “uma ‘diaconia da cultura’ no atual ‘continente digital’, percorrendo seus caminhos para anunciar o Evangelho, única Palavra que pode salvar o homem”.

Dom Celli fez um convite a despertar, constatando que 70% dos sites católicos ainda não assumiram os elementos oferecidos pela Web 2.0, isto é, a produção interativa e às vezes comunitária.

 

centenas de jovens de Nossa Senhora do Socorro (Achada S. Antonio) em Assembleia.

 Achamos muito proveitorso publicar um texto de Ludgero Correia. Simples, lúcido, arrojado de ideias brilhantes. Uma sadia e ousadia, direi. Foi publicado num jornal da nossa Praça e despertou muitos comentarios. Pena que muitos nao toverem escrito o que pensam, exaltando a ideia de fundo. Podemos nao concordar com algum aspecto. Mas, vale a pena ler e apreciar criticamente.
Este texto vale pelo sentido da oportunidade directamente feito à Igreja Católica (não exclusivamente, adverte o autor) para se dinamizar ainda mais a pastoral e criar movimentos e acções juvenis de grande impacto social, na esteira de valores que o cristianismo defende. Valores que  sustentam uma civilização, estamos em crer. E não caducam. O que acha? Eis o texto:
 
 

 JOVENS, ESCOLHAM DEUS ( Ludgero Correia)


“A confiança é um valor que precisa ser recuperado. É que não há estabilidade duradoira, não há suficiente engajamento da sociedade, nada está garantido, quando não há confiança.”
ADRIANO MOREIRA

Em todas as sociedades humanas coexistem heróis e vilões. Cabe aos educadores (pais, professores, tutores, líderes, chefes) identificarem uns e outros e apontarem aos espíritos em formação (estudantes e trabalhadores, jovens e menos jovens) os heróis, que é como quem diz, as referências a ter no seu processo de desenvolvimento pessoal, profissional e social.
Poder-se-á justificar o desnorte e os problemas de engajamento da juventude com a ausência de firmes referências nacionais? Porque, se excepcionarmos Cabral, sobra muito pouco ou mesmo nada? E poder-se-á assumir um tal quadro como uma fatalidade? Não haverá nada a fazer?
Acredito que a sociedade cabo-verdiana não tenha produzido heróis em quantidade e qualidade suficientes para emular a nossa juventude, servir-lhes de referência nas opções de vida e de farol nas encruzilhadas da vida. Mas isso não pode servir de desculpa aos educadores: QUANDO INEXISTE UM BOM EXEMPLO A SER SEGUIDO, SEMPRE SE PODE IDENTIFICAR E APONTAR O «MAU EXEMPLO» A SER ESCONJURADO. Não seria tão positivo como seria de desejar, nem ofereceria caminhos a singrar, mas seria, ainda assim, uma boa maneira de ficar sabendo o que não deve ser feito, o que é condenável e condenado, a partir de exemplos que não devem ser seguidos. Diria, com Wilson Sanches, NÃO EXISTE UM HOMEM TOTALMENTE INÚTIL; EM ÚLTIMO CASO, SERVE COMO MAU EXEMPLO. Se não há heróis a emular, sempre temos «maus exemplos» a não seguir.
Mas isso seria solução de último recurso. Porque antes de ter heróis, t(iv)emos Deus: um ser espiritual e infinitamente bom. Omnipotente e omnipresente, por quem todas as coisas foram feitas. Segundo a Sagrada Escritura, nós próprios fomos criados por Ele (à sua imagem e semelhança). Mesmo que não se subscreva integralmente o que se nos ensina na catequese, ainda que se acredite nas teses evolucionistas, ainda assim, resta a certeza de um ente regulador, imparcial, super-protector, sem contudo se imiscuir no nosso livre arbítrio. Porque não escolhê-lo como guia, referência e refúgio quando confrontados com situações adversas da vida? Porque os educadores não O apontam aos jovens como âncora?

Na década de 60, dos anos 1900, a Igreja Católica apostou forte em um amplo movimento juvenil sob o slogan OS JOVENS ESCOLHEM DEUS. Pelo menos em Cabo Verde, nunca mais se viu nada parecido: uma ampla movimentação de jovens vestidos de azul e branco (calças e saias em azul marinho e camisas e blusas em branco) assumindo Deus como ponto de partida, companheiro de jornada e ponto de chegada, das suas buscas pessoais. O engajamento dos jovens e educadores, sacerdotes e leigos, era tão grande, que nem o falecimento de sua Santidade o Papa João XXIII, ocorrido por alturas do culminar dos eventos, fez suspender o programa. Estudantes do Seminário de S. José e do Liceu Nacional de Adriano Moreira. Das diversas associações juvenis da Acção Católica (JAC e JEC). De jovens que, embora não estivessem engajados com nenhuma associação juvenil, aderiram, ainda assim, ao movimento e passaram a integrar as organizações preexistentes. Eu próprio – ainda menino de calções, sem idade, portanto, para integrar o movimento – consegui que minha mãe me arranjasse umas calças compridas em azul escuro e uma camisa branca e, pasmem-se!, participei do último desfile. Foi o máximo!

Os dias que correm, com a nossa jovem democracia estacada perante uma encruzilhada, com os nossos dirigentes políticos persistindo em dar ora no cravo, ora na ferradura, parecem-me ser o momento azado para que a nossa juventude abrace Deus (o ente regulador da vida no Universo e sempre pronto a premiar o bem que se faz, não importa a quem). Ousaria sugerir aos Bispos (D. Arlindo Furtado e D. Ildo Fortes), à hierarquia superior das demais Igrejas Cristãs, aos professores e educadores cristãos (associados ou não) uma entente virada para pôr na estrada um amplo movimento de jovens em busca do Deus dos nossos pais e avós. Que OS JOVENS ESCOLHAM DEUS, o alfa e o ômega, o princípio e o fim, a Verdade e a Vida, o Tal que garante que quem n’Ele crê não perece, antes ganha direito à vida eterna. Uma pastoral das duas Dioceses nacionais; uma Declaração/Conclamação das Igrejas Cristãs de Cabo Verde; uma actuação dos Professores Cristãos, suportada pelas Igrejas e pelos poderes públicos (a laicidade do Estado não pode servir de desculpas para a não participação); o importante é focalizar os jovens para uma opção de vida que sempre esteve disponível e que por razões que a própria razão desconhece não é apontada aos jovens com a necessária convicção. Com tantos movimentos por aí, com as redes sociais e meios de comunicação como nunca se teve, porque não catalisar a curiosidade dos jovens para a busca de Deus? Ainda que cada jovem venha a descobrir o «seu» Deus particular e Este venha a ser diferente do Deus dos catequistas, ainda assim, valerá a pena. O Movimento em si; o espírito de grupo; o guia espiritual (necessariamente bom e justo); o culto da verdade e das virtudes; o repúdio dos vícios e da mentira; a consciência de algo universal e intangível, mas, ainda assim, poderoso; a noção de prémio e castigo, com base em regras claras; a forte possibilidade de vida em dimensões ainda por desvendar; enfim, o aprendizado que se consegue com uma experiência dessas justifica todos os investimentos que se mostrarem necessários. Aliás, o equilíbrio da nossa juventude (mens sana, in corpore sano, a máxima de Juvenal) não tem preço.

JOVENS, ESCOLHAM DEUS!
Garanto-vos que uma tal opção não envolve o risco de se verem discriminados em peixe-fresco/peixe-podre, filhos-de-dentro/filhos-de-fora, macaronésios/africanos, ou confrontados com as truculências, os excessos e as decepções, com que os nossos dirigentes políticos nos brindam amiúde. É uma opção de vida que vale a pena experimentar e que, pessoalmente, recomendo. Por isso… vá lá, meu Bispo, abrace esta ideia.

Ludgero Corrreia

 

  • Padre Cantalamessa sugere “proibir” a fofoca

    CIDADE DO VATICANO, domingo, 10 de abril de 2011 (ZENIT.org)

“Aqui não se fofoca!”. Esse aviso deveria ser colocado em muitos ambientes de convivência, segundo sugeriu na sexta-feira o padre Raniero Cantalamessa OFM cap, na meditação de Quaresma que dirigiu a Bento XVI e seus colaboradores da Cúria Romana.
Ao discutir a frase da Carta de São Paulo aos Romanos, que “a caridade não seja fingida”, o frade capuchinho considerou que no campo da caridade na Igreja há um aspecto que precisa de conversão: o ato de ficar julgando uns aos outros.O fato de julgar não é em si algo mau, esclareceu, o que é verdadeiramente mau é “o veneno do nosso julgar”: “o rancor, a condenação”.

Perante o Papa, cardeais, bispos, sacerdotes e religiosos presentes na capela Redemptoris Mater do Palácio Apostólico, Cantalamessa explicou que, “em si, julgar é uma ação neutra”; “o juízo pode terminar tanto em condenação quanto em absolvição e justificação”.

“São os juízos negativos os que a palavra de Deus reprime e elimina, aqueles que condenam o pecador junto com o pecado, aqueles que olham mais para a punição do que para a correção do irmão”, disse.

“Para estimar o irmão, é preciso não estimar demais a si mesmo – prosseguiu -; é necessário ‘não ter uma visão alta demais de si próprio’”. “Quem tem uma ideia muito alta de si mesmo é como um homem que, à noite, tem diante dos olhos uma fonte de luz intensa: não consegue ver nada além dela; não consegue ver a luz dos irmãos, seus dotes e seus valores.”

“‘Minimizar’ deve se tornar o nosso verbo preferido nas relações com os outros: minimizar os nossos destaques e minimizar os defeitos alheios. Não minimizar os nossos defeitos e os destaques alheios, como somos tantas vezes levados a fazer; é diametralmente o oposto!”

A fofoca

A fofoca mudou de nome, chama-se ‘gossip’, afirmou Cantalamessa. “Parece ter virado coisa inocente, mas é uma das que mais poluem a vida em grupo”.

“Não basta não falar mal dos outros; precisamos também impedir que os outros o façam em nossa presença; fazê-los notar, mesmo que silenciosamente, que não estamos de acordo.”

“Em muitos locais públicos está escrito ‘Aqui não se fuma’. Antigamente havia até alguns avisos de ‘Aqui não se blasfema’. Não faria mal acrescentar, em alguns casos, ‘Aqui não se fofoca’”.

 

João Paulo II, mensageiro da paz

 
*Rodrigo Luiz dos Santos
Agora sim os fiéis podem incluir o nome de João Paulo II na ladainha dos beatos reconhecidos pela Igreja Católica. A beatificação do primeiro papa polonês, Karol Wojtyla, no último dia 1º de maio, no Vaticano, foi presidida por Sua Santidade o Papa Bento XVI. No Brasil, o evento foi transmitido, ao vivo, pelo Sistema Canção Nova de Comunicação.
Milhões de pessoas, do mundo inteiro, acompanharam a cerimônia, uma prova da imensa importância de sua obra, de sua pessoa e de seu pontificado. Depois da missa, a urna com seus restos mortais ficou exposta em frente ao altar central da Basílica de São Pedro para que todos tivessem oportunidade de visitá-lo.
Em 2005, a multidão presente na Praça São Pedro, no funeral de João Paulo II, informalmente o aclamou com o grito de “santo subito”, ou seja, “Santo já”. Apesar de o Vaticano ter regras rígidas para dar início ao processo de canonização, Josef Ratzinger, o nosso Bento XVI, concedeu uma autorização especial e permitiu a abertura imediata da causa de Karol Wojtyla em 2006, reconhecendo-o como Servo de Deus.

O Sistema Canção Nova de Comunicação estava no funeral com uma equipe de missionários. Entre os profissionais, estava o fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib. “Foi a maior cobertura realizada por nós. Estávamos todos em sintonia e o nosso público pôde acompanhar tudo”, lembra o monsenhor. Monsenhor Jonas recorda que esteve próximo à urna de João Paulo II. “Todas as pessoas tinham que passar rapidinho para rezar diante do corpo dele. Eu me coloquei à distância, mas como podia ver bem a urna, ajoelhei ali mesmo e fiquei bastante tempo rezando. Foi uma graça para mim”, relata.
O processo de beatificação está sendo conduzido pelo sacerdote Slawomir Oder. Entre os relatos enviados a padre Oder, um foi o escolhido. Trata-se da religiosa francesa, Marie Simon-Pierre. A freira foi curada do mal de Parkinson graças à intercessão do Santo Padre. O milagre foi reconhecido em 2010 por uma comissão liderada pelo médico particular de Bento XVI, Patrizio Polisca.
João Paulo II destacou-se ao longo de seu pontificado pela “produção” de santos. Ao todo, foram proclamados 1.338 beatos e canonizados 482 santos. Aliás, a exortação “o Brasil precisa de santos… muitos santos”, feita pelo Papa, foi um dos discursos que mais repercutiram no país.

O convite de João Paulo II ecoou na maior nação católica do mundo. E deu fruto.
Dezesseis anos depois, o Papa Bento XVI veio ao Brasil e declarou Antônio de Sant’Ana Galvão como primeiro santo nascido em nosso país. Destaque ainda para a baiana Irmã Dulce, conhecida como “Anjo Bom da Bahia”. A beatificação da religiosa será no dia 22 de maio, em Salvador (BA). O carisma de João Paulo II conquistou multidões por onde passou. Sinal externo dessa crença é a avaliação feita por analistas políticos que consideram João Paulo II como um dos maiores responsáveis pelo fim do comunismo no Leste Europeu e a queda do Muro de Berlim.
João Paulo II influenciou de forma marcante a Canção Nova. Ele dá nome à fundação mantenedora do Sistema Canção Nova de Comunicação, criada no início da década de 1980. “É uma confirmação da proteção para nós, que somos Fundação João Paulo II”, diz o fundador da Canção Nova. Ainda de acordo com monsenhor Jonas, o fato de Karol Wojtyla ser “o papa dos jovens” confirma a missão da Canção Nova e de seus membros. “A Canção Nova é permeada pela juventude. Sendo assim, podemos multiplicar esse serviço a muitíssimas pessoas”, reconheceu monsenhor Jonas.
A partir da beatificação, seu processo caminhará para a canonização. Para que ele seja declarado santo, é necessário um novo milagre. “Agora, convido os fiéis a rezarem e a levarem a conhecimento do postulador todos os casos que podem ser atribuídos à intercessão de João Paulo II”, pediu o padre Slawomir Oder. Lá do Céu, o Papa João Paulo II continuará a abençoar um número incontável de gente que o ama. Sua lembrança sempre vai despertar saudades nos corações. “A bênção João de Deus, nosso povo te abraça…”

*Rodrigo Luiz dos Santos é missionário e assessor de Imprensa da Canção Nova – twitter.com/rodrigosanluiz

 Cristão e Deus dialogam sobre o PAI  NOSSO

Cristão: “Pai nosso que estais no céu…”
Deus: Sim? Estou aqui.
Cristão: Por favor, não me interrompa, estou rezando!
Deus: Mas você me chamou!
Cristão: Chamei? Eu não chamei ninguém. Estou rezando. Pai nosso que estais no céu…
Deus: Aí, você chamou de novo.
Cristão: Fiz o quê?
Deus: Me chamou. Você disse: Pai nosso que estais no céu. Estou aqui. Como é que posso ajudá-lo?
Cristão: Mas eu não quis dizer isso. É que eu estou rezando. Rezo o Pai Nosso todos os dias, me sinto bem rezando assim. É como se fosse um dever. E não me sinto bem até cumpri-lo…
Deus: Mas como podes dizer Pai Nosso, sem lembrar que todos são seus irmãos? Como podes dizer que estais no céu, se você não sabe que o céu é a paz, que o céu é amor a todos?
Cristão: É, realmente ainda não havia pensado nisso.
Deus: Mas, prossiga sua oração.
Cristão: Santificado seja o vosso nome…
Deus: Espere aí! O que você quer dizer com isso?
Cristão: Quero dizer… quer dizer, é… sei lá o que significa. Como é que vou saber? Faz parte da oração, só isso!
Deus: Santificado significa digno de respeito, Santo, Sagrado.
Cristão: Agora entendi. Mas nunca havia pensado no sentido da palavra SANTIFICADO. “Venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu…”
Deus: Está falando sério?
Cristão: Claro! Porque não?
Deus: E o que você faz para que isso aconteça?
Cristão: O que eu faço? Nada! É que faz parte da oração, além disso seria bom que o Senhor tivesse um controle de tudo o que acontecesse no céu e na terra também.
Deus: Tenho controle sobre você?
Cristão: Bem, eu frequento a Igreja!
Deus: Não foi isso que eu perguntei. Que tal o jeito que você trata os seus irmãos, a maneira com que você gasta o seu dinheiro, o muito tempo que você dá a televisão, as propagandas que você corre atrás, e o pouco tempo que você dedica a mim?
Cristão: Por favor, pare de criticar!
Deus: Desculpe. Pensei que você estava pedindo para que fosse feita a minha vontade. Se isso for acontecer tem que ser com aqueles que rezam, mas que aceitam a minha vontade, o frio, o sol, a chuva, a natureza, a comunidade.
Cristão: Está certo, tens razão. Acho que nunca aceito a sua vontade, pois reclamo de tudo: se manda chuva, peço sol; se manda o sol, reclamo do calor; se manda o frio, continuo reclamando; se estou doente, peço saúde, não cuido dela, deixo de me alimentar ou como muito…
Deus: Óptimo conhecer tudo isso. Vamos trabalhar juntos Eu e você. Mas olha, vamos ter vitórias e derrotas. Eu estou gostando dessa nova atitude sua.
Cristão: Olha, Senhor, preciso terminar agora. Esta oração está demorando muito mais do que costuma ser. Vou continuar: “o pão nosso de cada dia nos dai hoje…”
Deus: Pare aí! Você está me pedindo pão material? Não só de pão vive o homem, mas também da minha palavra. Quando me pedir o pão, lembre-se daqueles que nem conhecem o pão. Pode pedir-me o que quiser, desde que me veja como um Pai amoroso! Estou interessado na próxima parte de sua oração. Continue!
Cristão: “Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”
Deus: E o seu irmão desprezado?
Cristão: Está vendo? Olhe Senhor, ele já criticou várias vezes e não era verdade o que dizia. Agora não consigo perdoar. Preciso me vingar.
Deus: Mas, e a sua oração? O que quer dizer sua oração? Você me chamou, e eu estou aqui, quero que saia daqui transfigurado, estou gostando de você ser honesto. Mas não é bom carregar o peso da ira dentro de você, não acha?
Cristão: Acho que iria me sentir melhor se me vingasse!
Deus: não vai não! Vai se sentir pior. A vingança não é tão doce quanto parece. Pense na tristeza que me causaria, pense na sua tristeza agora. Eu posso mudar tudo para você. Basta você querer.
Cristão: Pode? Mas como?
Deus: Perdoe seu irmão, Eu perdoarei você e o aliviarei.
Cristão: Mas Senhor, eu não posso perdoá-lo.
Deus: Então não me peça para perdoá-lo também!
Cristão: Mais uma vez está certo! Mais do que quero vingar-me, quero a paz com o Senhor. Está bem, está bem; eu perdoo a todos, mas ajude-me Senhor, mostre-me o caminho certo para mim e meus inimigos.
Deus: Isto que você me pede é maravilhoso, estou muito feliz com você. E você como está se sentindo?
Cristão: Bem, muito bem mesmo! Para falar a verdade, nunca havia me sentido assim! É tão bom falar com Deus.
Deus: Ainda não terminamos a oração. Prossiga…
Cristão: “E não deixeis cair em tentações, mas livrai-nos do mal…”
Deus: Óptimo, vou fazer justamente isso, mas não se ponha em situações onde possa ser tentado.
Cristão: O que quer dizer com isso?
Deus: Deixe de andar em companhias de pessoas que o levam a participar de coisas sujas, intrigas, fofocas. Abandone a maldade, o ódio. Isso tudo vai levá-lo para o caminho errado. Não use tudo isso como saída de emergência!
Cristão: Não estou entendendo!
Deus: Claro que entende! Você já fez isso comigo várias vezes. Entra no erro, depois corre me pedir socorro.
Cristão: Puxa, como estou envergonhado!
Deus: Você me pede ajuda, mas logo em seguida volta a errar de novo, para mais uma vez vir fazer negócios comigo!
Cristão: Estou com muita vergonha, perdoe-me Senhor!
Deus: Claro que perdoo! Sempre perdoo a quem está disposto a perdoar também, mas não esqueça, quando me chamar, lembre-se de nossa conversa, medite cada palavra que fala! Termine a sua oração.
Cristão: Terminar? Ah, sim, “Amem!”
Deus: O que quer dizer ámen?
Cristão: Não sei. É o final da oração…
Deus: Você só pode dizer ámen quando aceita dizer tudo o que eu quero, quando concorda com minha vontade, quando segue os meus mandamentos, porque ÁMEN quer dizer: assim seja, concordo com tudo o que rezei.
Cristão: Senhor, obrigado por ensinar-me esta oração e agora obrigado por fazer-me entendê-la.

 

Oração pelas vocações

Senhor da Messe e pastor do rebanho faz ressoar em nossos ouvidos teu forte e suave convite: “Vem e segue-me”. Derrama sobre nós o teu Espírito, que ele nos dê sabedoria para ver o caminho e generosidade para seguir tua voz.

Senhor, que a messe não se perca por falta de operários, desperta nossas comunidades para a missão, ensina nossa vida a ser serviço, fortalece os que querem dedicar-se ao Reino na vida consagrada e religiosa.

 Senhor, que o rebanho não pereça por falta de pastores. Sustenta a fidelidade de nossos bispos, padres, diáconos, religiosos e ministros. Dá perseverança a nossos seminaristas. Desperta o coração de nossos jovens para o ministério pastoral em tua Igreja.

Senhor da Messe e pastor do rebanho chama-nos para o serviço de teu povo.

 Maria, Mãe da Igreja, modelo dos servidores dos servidores do Evangelho, ajuda-nos a responder o SIM. Amen.

 

Adoração pelas vocações

Oração pelas vocações sacerdotais, consagradas e missionárias.

Ó Jesus! Eterno Sacerdote, não deixe de enviar novos sacerdotes, homens e mulheres consagrados a tua Igreja, pastores conforme o teu coração. Necessitamos dos teus ministros. Necessitamos dos teus enviados. Eles são os instrumentos da tua graça e do teu amor. Eles nos consolam em teu nome, alimentam a nossa esperança, confirmam a nossa fé e fortalecem nosso amor. Necessitamos deles, Senhor, porque necessitamos de Vós, necessitamos do vosso amor. Não nos deixe sós, Senhor! Enviai operários a messe do mundo. Enviai pescadores de homens que nos apanhem com as redes da vossa misericórdia. Enviai, vos rogamos com humildade e confiança, pastores conforme o vosso coração. A messe é grande e os operários são poucos. Enviai Senhor, operários a vossa messe. Nós vos pedimos, Senhor, a vós que viveis e reinais pelos séculos e séculos.

 

GUIA:  Senhor Jesus, humildemente prostrados diante de Vós, que movido pelo vosso imenso amor estais presente no meio nós sob as espécies do Pão Eucarístico, queremos vos apresentar a nossa homenagem de fé e de amor, de gratidão e de adoração em vossas mãos tudo o que somos e temos.

 Unidos à vossa amabilíssima Mãe, estamos aqui para vos acompanhar e para vos encontrar como Amigo das nossas almas e Luz das nossas vidas.

            Estamos aqui para vos pedir, com espírito de profunda súplica, pelo mundo, por todos os homens, pelos vossos sacerdotes,  pelos homens e mulheres de vida consagrada. De maneira muito especial, vos imploramos, oh Senhor e Dono da messe, envieis numerosos e santos operários  para que colham o que vós mesmo semeastes nas almas.

Todos: Necessitamos de vós, Senhor!

Guia:   Precisamos de homens que consagrem seus lábios para nos falar de Vós; seus pés a percorrer todo o mundo pregando o Evangelho; suas mãos a nos abençoar; homens em cujos olhos vejamos refletido o vosso olhar de Pai amoroso. Necessitamos de Vós, Senhor! O mundo e a Igreja necessitam de Vós; por isso, vos pedimos com humildade, vos rogamos com ardor: enviai-nos sacerdotes,             depositários do vosso poder salvador; enviai-nos missionários, homens e mulheres consagrados que sejam luz nas trevas do mundo, sal que nos livre da corrupção do mal e do pecado.

Todos: Enviai, Senhor, operários para a vossa messe.

Guia:   Os homens e mulheres consagrados deixam tudo para seguir somente a Vós, Sumo Bem, em caridade perfeita. Por amor a Vós doam a própria liberdade; oferecem a Vós o melhor do seu afeto e do seu amor; vos seguem, pobres, pelo caminho do sacrifício. Grande é a generosidade destas almas, também é  grande o dom da vida consagrada à Igreja. 

Todos: Senhor!, enviai à vossa Igreja vocações à vida consagrada.

Guia:   Nos lugares mais remotos da terra, às vezes sofrendo perseguições e arriscando a própria vida, os missionários e missionárias,  predigam o vosso Evangelho aos que ainda não ouviram falar de Vós. Sofrem a solidão, fatigas,  a incompreensão, e suportam tudo com amor, para que o vosso amor se acenda nos corações desses homens.

Todos: Enviai, Senhor, missionários à vossa Igreja.

Guia:   Inspirai e ajudai, Senhor, os sacerdotes que trabalham nos seminários e nas casas de formação para que dêem à  vossa Igreja santos, doutores, mártires, apóstolos, uma nova multidão de testemunhas de Cristo imbuídos de um novo ardor missionário pela Nova Evangelização.

Todos: Enviai-nos, Senhor, sacerdotes santos.

Guia:   Nós vos pedimos, Senhor, por todos aqueles que consagraram suas vidas à pastoral vocacional, para que em nome de Cristo não deixem de lançar das redes para dar à Igreja as vocações que necessita para cumprir com a sua missão.

Todos: Necessitamos dos vossos sacerdotes; enviai-nos, Senhor.

Guia: Enviai-nos, Senhor, a vossa tua Igreja.

Todos: Sacerdotes segundo o vosso coração.

Guia: A messe é muita. Os operários são poucos.

Todos: Mandai, Senhor, operários para a vossa messe.

Guia: Vós, Senhor, que tivestes compaixão das multidões que careciam de pastor.

Todos: Mandai, Senhor, operários para  a vossa messe.

Guia: Aos jovens que ouvem o vosso chamado.

Todos: Dai generosidade, Senhor.

Guia: As almas consagradas a Vós.

Todos: Aumentai sua caridade, Senhor.

Guia: Aos jovens que duvidam do seu chamado.

Todos: Daí certeza, Senhor.

Guia: Aos que ouvem o vosso chamado na infância.

Todos: Acompanhai Senhor.

Guia: Aos seminaristas.

Todos: Dai-lhes perseverança, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes tentados.

Todos: Dai-lhes força, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes fervorosos.

Todos: Abrasai no vosso amor, Senhor;

Guia: Aos sacerdotes tíbios.

Todos: Daí a vossa santidade, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes tristes.

Todos: Daí a vossa consolação, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes que sentem solidão.

Todos: Sede Vós a companhia, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes missionários.

Todos: Infundi o vosso zelo, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes jovens.

Todos: Daí vigor para buscarem a vossa Glória, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes anciãos.

Todos: Fortalecei em vosso serviço, Senhor.

Guia: Aos sacerdotes falecidos.

Todos: Daí a vossa glória, Senhor.

Guia: A messe é muita. Os operários são poucos.

Todos: Enviai, Senhor, operários para a vossa messe.

Guia: Rogamo-vos pelo Santo Padre, N.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

Guia: Pelos pastores da vossa Igreja.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

Pelo nosso Bispo N.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

Por aqueles que mais necessitam da vossa graça.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

Por aqueles que estão afastados de vós.

Todos: Ouvi-nos, Senhor.

 

À RAINHA DOS APÓSTOLOS

       Rainha dos Apóstolos, vosso Filho deu-nos um perfeito exemplo de amor ao próximo.

       À imitação dele, queremos fazer o possível para que nós mesmos e o nosso próximo alcancemos a vida que nos mereceu.

       Sabemos que nossos esforços são limitados. Pedimos por isso que nos ajudeis com vossa intercessão.

       Alcançai-nos do vosso Filho as graças necessárias para reavivar a fé e reacender a caridade em todos os homens.

       Confiados em vossa poderosa ajuda, fazemos o propósito de empregar para a maior glória de Deus tudo o que ele nos concede.

       Com ânsia aguardamos o dia em que estaremos unidos convosco no céu, para amar a Deus por toda a eternidade. Amen.

 

ORAÇÃO À MÃE DO DIVINO AMOR

      Tu que mereceste a saudação: “Cheia de graça”, tudo nos podes alcançar. Sim, ó Maria, realmente és cheia de graça, porque o Espírito santo, teu celestial Esposo, com seu Divino Amor, abriu em ti a sua morada: desde o momento da concepção preservou-te de toda culpa e te conservou imaculada. De novo retornou a ti no dia da Anunciação, fazendo de ti a Mãe; no dia de Pentecostes, pousou sobre ti com seus sete dons e te fez guardiã e fonte das divinas graças. Eis pois, ó doce Mãe do Divino Amor, as nossas súplicas: concede a paz ao mundo, faz triunfar o teu amor, protege  Papa, reúne na unidade perfeita todos os cristãos, ilumina com a luz do Evangelho todos os que ainda não crêem, converte os pecadores, dá-nos a coragem do arrependimento constante e força para vencer as tentações, ilumina a nossa mente para seguirmos sempre o caminho do bem, e finalmente, quando Deus nos chamar abram-se-nos as portas do céu. E enquanto gememos e choramos neste vale de lágrimas, socorre-nos em nossas

 ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES

Pai eterno, pela vossa infinita misericórdia e pelos merecimentos infinitos de Jesus Cristo, vosso Filho, fazei que todos os homens vos conheçam e vos amem, pois, quereis que todos os homens vos conheçam e vos amem, pois, quereis que todos se salvem. Pelos sacrossantos mistérios da redenção humana:

Mandai, Senhor, operários para a vossa messe e tende piedade de vosso povo. Eterno Verbo Encarnado, redentor da humanidade, convertei os homens todos a vós. Pela salvação deles fostes obediente até à morte na cruz. Pelos merecimentos e intercessão de vossa Mãe Santíssima e de todos os anjos e santos:

Mandai, Senhor, operários para a vossa messe e tende piedade de vosso povo.

Espírito Divino, pelos merecimentos infinitos da paixão e morte de Jesus, difundi em todos os corações vossa ardentíssima caridade: assim haverá um só rebanho e um só Pastor. Rainha dos Apóstolos e vós todos os anjos e santos, rogai ao Senhor da seara:

Que mande operários para a sua messe e tenha piedade de seu povo. Para que todos possamos gozar com ele, o Pai e o Espírito Santo, por todos os séculos. Amen.

 

 

CONTACTOS

Lema da Diocese: Ide e fazei discípulos...

Pastoral da Comunicação (Pascom)
Telefones:
(238) 2619788
(238) 9188607
(238) 9188604

Email: pascomdscv@gmail.com

Secretaria do Bispado:
Tel: (238) 2611119
Fax: (238) 2612126

Secretaria da Cúria Diocesana
Tel: (238) 9188983
Fax: (238) 2612126

Seminário de S. José:
Tel: (238) 2613576
Reitor: 9188607
Prefeito: 9188610
Economa: 9188984
Serviços: (238) 9188989

Para Download
PROGRAMA “A VINDA DO SENHOR”

Todas as terças: 19h30 na RCV









Cáritas Caboverdiana

Movimentos / Associações