papa urbi orbiDOMINGO DE PÁSCOA
As 12,00 horas de Roma, o Papa Francisco celebrou, a partir da varanda Central da Basílica de S. Pedro, a bênção pascal urbi et orbi com uma mensagem fortemente enraizada na esperança libertadora que nos vem do túmulo vazio, da paixão, morte e ressurreição do Senhor. “Que grande alegria é para mim, disse o Papa, poder dar-vos este anúncio: Cristo ressuscitou! Queria que chegasse a cada casa, a cada família e, especialmente onde há mais sofrimento, aos hospitais, às prisões. Sobretudo queria que chegasse a todos os corações, porque é lá que Deus quer semear esta Boa Nova: Jesus ressuscitou, uma esperança despertou para ti, já não estás sob o domínio do pecado, do mal! Venceu o amor, venceu a misericórdia”! Por conseguinte, neste dia de Pásqua “também nós, como as mulheres discípulas de Jesus que foram ao sepulcro e o encontraram vazio, nos podemos interrogar que sentido tenha este acontecimento (cf. Lc 24, 4).

Que significa o fato de Jesus ter ressuscitado? Significa, diz Papa Francisco, que o amor de Deus é mais forte que o mal e a própria morte; significa que o amor de Deus pode transformar a nossa vida, fazer florir aquelas parcelas de deserto que ainda existem no nosso coração”. E´deste modo revelado o verdadeiro sentido da Pásqua: é o êxodo, a passagem do homem da escravidão do pecado, do mal, à liberdade do amor, do bem. Porque Deus é vida, somente vida, e a sua glória é o homem vivo (cf. Ireneu, Adversus haereses, 4, 20, 5-7).A celebração da Pásqua é por conseguinte um memorial que nos recorda que Cristo morreu e ressuscitou de uma vez para sempre e para todos, “mas a força da Ressurreição, exorta o Santo Padre, esta passagem da escravidão do mal à liberdade do bem, deve realizar-se em todos os tempos, nos espaços concretos da nossa existência, na nossa vida de cada dia. neste sentido, recorda o Papa, “Quantos desertos tem o ser humano de atravessar ainda hoje! Sobretudo o deserto que existe dentro dele, quando falta o amor a Deus e ao próximo, quando falta a consciência de ser guardião de tudo o que o Criador nos deu e continua a dar. Mas a misericórdia de Deus pode fazer florir mesmo a terra mais árida, pode devolver a vida aos ossos ressequidos (cf. Ez 37, 1-14).
Eis, portanto, diz ainda o Papa, o convite que dirijo a todos: acolhamos a graça da Ressurreição de Cristo! Deixemo-nos renovar pela misericórdia de Deus, deixemo-nos amar por Jesus, deixemos que a força do seu amor transforme também a nossa vida, tornando-nos instrumentos desta misericórdia, canais através dos quais Deus possa irrigar a terra, guardar a criação inteira e fazer florir a justiça e a paz.

Deixe um comentario

Categories