O ano da fé vem aí. De 11 de outubro 2012 a 24 de novembro de 2013 muita coisa pode acontecer. Mas o mais importante é chegar cada um ao fim desse período e ver-se transformado e cada vez mais convencido de que a fé em Jesus é uma opção humanizante e inteligente. É capaz de levar a sua vida para horizontes positivos, de crescimento humano, com destaque para a experiência espiritual de comunhão com DEUS, o Deus revelado em Jesus Cristo. O que é que o Espírito Santo lhe diz que DEVE fazer neste ano em relação à fé?

As proposta dos dicastério da Santa Sé ajudam a viver este tempo de graça sem excluir outras propostas que o Espírito Santo quiser suscitar entre os membros do clero e os fiéis nas diversas partes do mundo.

Para todos “Este ano será uma ocasião propícia a fim de que todos os fiéis compreendam mais profundamente que o fundamento da fé cristã é o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo” (Nota da Congregação para a Doutrina da Fé )

O início do Ano da Fé coincide com dois grandes eventos que marcaram a face da Igreja nos nossos dias: o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II e o 20º aniversário da promulgação do Catecismo da Igreja Católica, oferecido à Igreja pelo beato João Paulo II. Este Catecismo compreende ‘coisas novas e velhas (cf. Mt 13,52), porque a fé é sempre a mesma e simultaneamente é fonte de luzes sempre novas.

Neste âmbito do ANO DA FÉ, o Vaticano destaca ainda que a próxima Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos acontecerá no mês de outubro de 2012 e terá como tema: “A nova evangelização para a transmissão da fé cristã”.

“O Ano da Fé quer contribuir para uma conversão renovada ao Senhor Jesus e à redescoberta da fé, para que todos os membros da Igreja sejam testemunhas credíveis e alegres do Senhor ressuscitado no mundo de hoje, capazes de indicar a ‘porta da fé’ a tantas pessoas que estão em busca.

A Congregação também salienta que hoje é necessário um empenho eclesial mais convicto a favor duma nova evangelização, para descobrir de novo a alegria de crer e reencontrar o entusiasmo de comunicar a fé.

Os vários níveis da vivência do Ano da fé.

1. A nível universal

“Durante este Sínodo, no dia 11 de outubro de 2012, acontecerá uma celebração solene de inauguração do Ano da Fé, recordando o 50º aniversário de abertura do Concílio Vaticano II”, avisa a Nota, que destaca ainda que no Ano da Fé devem-se encorajar as romarias dos fiéis ao Vaticano, bem como à Terra Santa.

O papel especial de Maria no mistério da salvação também deverá ser lembrado, assim a Santa Sé recomenda também romarias, celebrações e encontros nos maiores Santuários Marianos no mundo.

Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro será um evento de destaque dentro do ano da fé, uma “ocasião privilegiada aos jovens para experimentar a alegria que provém da fé no Senhor Jesus e da comunhão com o Santo Padre, na grande família da Igreja”.

A Santa Sé deseja ainda que sejam organizados simpósios, congressos e encontros de grande porte, também a nível internacional, que favoreçam o encontro com autênticos testemunhos da fé e o conhecimento dos conteúdos da doutrina católica.

“Para todos os crentes, o Ano da Fé oferecerá uma ocasião favorável para aprofundar o conhecimento dos principais Documentos do Concílio Vaticano II e o estudo do Catecismo da Igreja Católica. Isto vale de modo particular para os candidatos ao sacerdócio”, reforça a Nota.

Este Ano será a ocasião propícia para acolher com maior atenção as homilias, as catequeses, os discursos e as outras intervenções do Santo Padre e durante o Ano da Fé, o Vaticano deseja que haja várias iniciativas ecumênicas.

“Por ocasião da conclusão deste Ano, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, acontecerá uma Eucaristia celebrada pelo Santo Padre, na qual se renovará solenemente a profissão de fé”, destaca.
2. A nível das Conferências Episcopais

As Conferências Episcopais poderão dedicar uma jornada de estudo ao tema da fé, do seu testemunho pessoal e da sua transmissão às novas gerações. A Congregação salienta que será útil favorecer a republicação dos Documentos do Concílio Vaticano II, do Catecismo da Igreja Católica e do seu Compêndio, também em edições de bolso e econômicas, e a sua maior difusão possível com a ajuda dos meios eletrônicos e das tecnologias modernas.

Neste ano, se fará um esforço maior pra traduzir os Documentos do Concílio Vaticano II e o Catecismo da Igreja Católica nas línguas em que ainda não existem. E todos os meios de comunicação deverão estar empenhados na transmissão deste tema, seus princípios e conteúdos, bem como o significado eclesial do Concílio Vaticano II.

A Santa Sé conta ainda com a ajuda de teólogos e autores competentes para preparar subsídios de divulgação, “assim cada fiel poderá responder melhor às perguntas que se fazem nos diversos âmbitos culturais, ora no tocante aos desafios das seitas, ora aos problemas ligados ao secularismo e ao relativismo, ora ‘a uma série de interrogativos, que provêm duma diversa mentalidade que, hoje de uma forma particular, reduz o âmbito das certezas racionais ao das conquistas científicas e tecnológicas’, como também a outras dificuldades específicas”.
3. A nível diocesano

O Vaticano deseja que haja celebração de abertura do Ano da Fé e uma solene conclusão do mesmo a nível de cada Igreja particular. E em cada diocese do mundo deverá ser preparada uma jornada sobre o Catecismo da Igreja Católica.

“Cada Bispo poderá dedicar uma sua Carta pastoral ao tema da fé, recordando a importância do Concílio Vaticano II e do Catecismo da Igreja Católica levando em conta as circunstâncias pastorais específicas da porção de fiéis a ele confiada”, salienta a Nota.

4. Deseja-se que em cada Diocese, sob a responsabilidade do Bispo, sejam organizados momentos de catequese, destinados aos jovens e àqueles que estão em busca de um sentido para a vida, com a finalidade de descobrir a beleza da fé eclesial, e que sejam promovidos encontros com as testemunhas significativas da mesma.

Especialmente no período da quaresma, celebrações penitenciais para se pedir perdão a Deus, em particularmente pelos pecados contra a fé serão importantes neste Ano, um tempo favorável para se aproximar com maior fé e maior frequência do sacramento da Penitência.
4. A nível das paróquias / comunidades / associações / movimentos

O Ano da Fé será uma ocasião propícia também para intensificar a celebração da fé na liturgia, particularmente na Eucaristia. Missões populares e outras iniciativas nas paróquias e nos lugares de trabalho deverão de realizar para ajudar os fiéis a redescobrir o dom da fé batismal e a responsabilidade do seu testemunho, na consciência de que a vocação cristã é também, por sua própria natureza, vocação ao apostolado.

E você, qual é a proposta que propõe para si, para a sua família e para a sua comunidade de fé?

One Response to “O Ano da fé interpela a todos em vários níveis: conheça algumas propostas”

  • Para mim e toda a comunidade praiense proponho em primeiro lugar ter uma catequese firme sob a orientação de cada Pároco acerca do tema ” A FÉ”,com uma interiorização plena do conceito e de seguida a partilha necessária.

Deixe um comentario

Categories