• VATICANO, domingo, 10 de abril de 2011
  • “Aqui não se fofoca!”. Esse aviso deveria ser colocado em muitos ambientes de convivência, segundo sugeriu na sexta-feira o padre Raniero Cantalamessa OFM cap, na meditação de Quaresma que dirigiu a Bento XVI e seus colaboradores da Cúria Romana.

Ao discutir a frase da Carta de São Paulo aos Romanos, que “a caridade não seja fingida”, o frade capuchinho considerou que no campo da caridade na Igreja há um aspecto que precisa de conversão: o ato de ficar julgando uns aos outros.

O fato de julgar não é em si algo mau, esclareceu, o que é verdadeiramente mau é “o veneno do nosso julgar”: “o rancor, a condenação”.

Perante o Papa, cardeais, bispos, sacerdotes e religiosos presentes na capela Redemptoris Mater do Palácio Apostólico, Cantalamessa explicou que, “em si, julgar é uma ação neutra”; “o juízo pode terminar tanto em condenação quanto em absolvição e justificação”.

“São os juízos negativos os que a palavra de Deus reprime e elimina, aqueles que condenam o pecador junto com o pecado, aqueles que olham mais para a punição do que para a correção do irmão”, disse.

“Para estimar o irmão, é preciso não estimar demais a si mesmo – prosseguiu -; é necessário ‘não ter uma visão alta demais de si próprio'”. “Quem tem uma ideia muito alta de si mesmo é como um homem que, à noite, tem diante dos olhos uma fonte de luz intensa: não consegue ver nada além dela; não consegue ver a luz dos irmãos, seus dotes e seus valores.”

“‘Minimizar’ deve se tornar o nosso verbo preferido nas relações com os outros: minimizar os nossos destaques e minimizar os defeitos alheios. Não minimizar os nossos defeitos e os destaques alheios, como somos tantas vezes levados a fazer; é diametralmente o oposto!”

Deixe um comentario

Categories